quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Quinta da Lixa distinguida com Albariño de Ouro


“Quinta da Lixa Alvarinho 2011” é o vinho premiado no I Concurso Albariños ao Mundo 2012




A Quinta da Lixa, uma das maiores produtoras de vinho verde do País, sai do I Concurso Albariños ao Mundo 2012 com a distinção “Albariño de Ouro”.
“Quinta da Lixa Alvarinho 2011” foi o vinho premiado no concurso internacional que decorreu de 23 até 26 de Novembro em Londres. A iniciativa, pioneira da União Espanhola de Catadores, promove vinhos da casta Alvarinho e projecta a Região dos Vinhos Verdes e das Rias Baixas galegas, além fronteiras.
O concurso tem rostos internacionais no seu júri, como Sarah Jane Evans (Master of Wine), Susan Hulme (Master of Wine), Juan Carlos Rincón (Decanter), David Williams (The Observer), Clement Robert (Melhor Somellier Britânico em 2010) e Yohann Jousselin (Melhor Somellier Britânico em 2011).
Óscar Meireles, administrador da Quinta da Lixa, não deixa de destacar “ser cada vez mais importante que os produtores apostem em Vinhos Verdes de qualidade. É um orgulho receber este prémio com selo de reconhecimento internacional, que trará mais prestígio aos nossos vinhos, principalmente em mercados de exportação menos habituados a consumir Vinhos Verdes”, remata.
A Quinta da Lixa é uma das empresas a liderar a exportação de vinho verde para o estrangeiro, estando actualmente presente em 27 mercados.

Convento do Beato recebe Porto & Douro Wine Show 2012


Convento do Beato recebe Porto & Douro Wine Show 2012

Vinhos do Porto e Douro aliados ao melhor gourmet e moda portuguesa em Lisboa


É já na próxima sexta-feira, dia 30 de novembro e no sábado, dia 1 de dezembro, que o Convento do Beato em Lisboa, na Rua do Beato, 44, vai receber o ‘Porto e Douro Wine Show 2012’, uma iniciativa do IVDP - Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto que pretende unir o melhor da enologia do Porto e Douro com as mais recentes tendências da cozinha e da moda portuguesas.

Com o objetivo de aumentar a notoriedade dos vinhos da região do Douro, junto dos consumidores, mais de 50 produtores apresentam e disponibilizam os seus produtos para degustação e harmonizações, preparadas pelos chefes Jorge Cordeiro e Paulo Corte-Real, referências da cozinha nacional, com a colaboração dos enólogos Pedro Sá e João Silva e Sousa. O chefe Duarte Mathias apresentará também as melhores propostas em LiveCooking.

A sétima edição do ‘Porto & Douro Wine Show’ organizado pelo IVDP, em parceria com a No More e a DMP+ASO, renova a ideia que os Vinhos do Douro e do Porto estão na moda, promovendo os desfiles da coleção Outono/Inverno 2012, de alguns dos melhores designers de moda nacionais, emergentes, como a premiada Ana Segurado, entre outros, e consagrados como Júlio Torcato, Anabela Baldaque e Katty Xiomara.

Para os amantes dos prazeres da vida, produzidos em Portugal, as portas do Convento do Beato abrem ao público, na próxima sexta-feira, a partir das 15 horas e encerram às 21 horas. O preço da entrada é de 5 euros para um dia e de 8 euros para os dois dias. Os visitantes recebem a oferta de um copo para degustação dos vinhos.

O IVDP que tem por missão a promoção do controlo da qualidade dos vinhos do Porto e a proteção e defesa das denominações de origem Douro e Porto, prestigia, uma vez mais, o valor do vinho, a cozinha gourmet e a moda portuguesa, contribuindo com o ‘Porto e Douro Wine Show’ para a sua afirmação junto dos consumidores. De acordo com Manuel de Novaes Cabral, presidente do IVDP, «voltamos a Lisboa com uma ação que já marca a agenda da capital e que, por isso mesmo, nos continua a merecer grande importância na estratégia de promoção para o mercado nacional, não só pelo potencial de consumidores mas também pela diversidade de públicos interessados e motivados para novas formas de consumo. A ligação à moda assume, nesta edição, contornos ainda mais próximos e estou certo que será uma iniciativa que sublinhará a excelência da Região Demarcada do Douro».

sábado, 24 de novembro de 2012

‘Pôpa Vinho Doce tinto 2011’: novidade em lançamento em dois eventos vínicos em Lisboa


Porto e Douro Wine Show e Adegga Wine Market


Depois do sucesso que foi a presença, em antecipação, do ‘Pôpa Vinho Doce tinto 2011’ no “Mercado dos Vinhos” – tendo o produtor esgotado as garrafas que levou para mostra e venda no evento que se realizou no Campo Pequeno, nos dias 01 a 04 de Novembro –, é tempo da nova colheita deste doce néctar chegar oficialmente ao mercado.

O ‘Pôpa Vinho Doce tinto 2011’ vai estar em prova – juntamente com as restantes gamas (Contos da Terra, Preffácio, Pôpa e PaPo) e referências da Quinta do Pôpa – nos eventos “Porto & Douro Wine Show 2012”, que se realiza nos dias 30 de Novembro e 01 de Dezembro no Convento do Beato, e no “Adegga Wine Market 2012”, que acontece no Sábado, dia 01 de Dezembro, no Hotel Flórida, ambos em Lisboa. Se por um lado temos um evento apenas dedicado a vinhos da região do Douro, por outro temos uma prova de vinhos em ambiente informal com alguns dos melhores vinhos e produtores de Portugal.

Um ano depois da chegada do primeiro exemplar ao mercado, a Quinta do Pôpa volta a apostar nesta que é uma proposta inovadora: um vinho tinto doce, cuja feitura é semelhante à do vinho do Porto, mas sem que haja adição de álcool no processo de paragem da fermentação.  

O ‘Pôpa Vinho Doce tinto 2011’ é elaborado a partir do blend de 21 castas de vinhas com mais de 60 anos, erguidas nos socalcos do Alto Douro Vinhateiro, em Adorigo, Tabuaço. As uvas foram apanhadas em Outubro, não chegando a serem atingidas pela podridão nobre (botrytis cinérea), processo que ocorre nas uvas que dão origem aos vinhos de colheita tardia. É um vinho muito jovem e com baixo teor alcoólico (10% vol.), sendo uma excelente proposta para beber como aperitivo, apreciar ao final da tarde, ou como complemento de uma conversa depois de um bom jantar.

A colheita de 2011 conta com 3737 garrafas de 500 ml, todas elas numeradas e com um PVP recomendado de € 14,50.


Sobre a Quinta do Pôpa:
A Quinta do Pôpa é uma janela sobre o rio Douro localizada em Adorigo, no concelho de Tabuaço, em pleno Alto Douro Vinhateiro. O nome e história desta Quinta simbolizam a realização de um sonho que tem passado de geração em geração, homenageando Francisco Ferreira, mais conhecido como Pôpa: o seu filho adquiriu parte da propriedade em 2003, mas hoje são os seus netos que estão à frente do projecto, com o objectivo de produzir vinhos de qualidade superior. Um projecto familiar que conta com a expertise do enólogo bairradino Luís Pato. Com uma área total de 30 hectares, dos quais catorze são de vinha (três de vinha velha com mais de 60 anos), composta por uma mistura de nobres castas tintas, todas de letra A. Na produção conciliam-se as técnicas mais sofisticadas com séculos de rigorosa tradição, como a vinificação através da pisa a pé em lagares de granito a uma temperatura controlada; e na construção  de uma marca com personalidade e qualidade, criada através da sua história e do casamento harmonioso entre a terra e o clima que o seu terroir tem para oferecer. O portefólio deste produtor duriense reúne as marcas Contos da Terra (branco e tinto), Preffácio (branco, tinto e rosé) e Pôpa (dois monovarietais – Tinta Roriz e Touriga Nacional; um Vinhas Velhas; e um vinho doce tinto). Para além do tinto de seu nome PaPo (ou Trepa, quando falamos do mercado internacional).


Para mais informações, contactar, por favor:
Joana Pratas | Consultoria em Comunicação e RP
(joanapratas@joanapratas.com; 91 459 11 19 ou 93 779 00 05)

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Great Portuguese Wines by Doug Frost

video

www.immoportugal.com




DESAFIOS DA ADEGA VISITAM VINHOS AZAMOR




No passado dia 10 de Outubro, os Desafios da Adega rumaram ao Alentejo, mais precisamente a Vila Viçosa, para conhecer os 260 ha da Herdade do Rego, casa dos vinhos Azamor.
Nascido de uma ideia original cujo foco central é organizar e disponibilizar experiências a amantes de vinho, o conceito Desafios da Adega leva os seus participantes a visitar produtores menos conhecidos, com projetos mais pequenos, degustar novos aromas e passar alguns dias agradáveis descobrindo novos locais, pessoas e sabores.
Foi exatamente o que fizeram 18 pessoas há cerca de uma semana. Situada numa das zonas mais altas da região do Alentejo, entre Borba e Elvas, a Herdade do Rego é a casa dos vinhos Azamor, projeto acarinhado por Alison Luiz Gomes. "O que torna único o nosso projeto é o fato de ser uma produção pequena, tipo "boutique" numa região tão vasta e de grande produção como o Alentejo", salienta a produtora. "E é exatamente esta particularidade que interessou o grupo que se deslocou até à herdade", acrescenta.
Depois de uma visita e prova de amostras já de 2012, o grupo provou as quatro referências do projeto Azamor, de várias colheitas, e acabou com o desafio: criar um blend tipo "Selected Vines", o mais alentejanos dos quatro da marca. Das seis equipas, a vencedora, composta por três pessoas, viu o seu blend engarrafado numa garrafa rotulado para a ocasião e puderam levar para a casa uma recordação única.

O projeto Azamor existe desde 1998 e é dedicado à produção de vinhos Alentejanos de qualidade, autênticos e modernos, ao mesmo tempo que adaptados aos palatos dos apreciadores de bons vinhos. A visão do casal Alison e Joaquim Luiz Gomes fez com que, em menos de 10 anos, o projeto crescesse com consistência e qualidade constante. 80% da produção total de 80.000 garrafas da empresa é exportada. www.azamor.com
Para mais informações: The Wine Agency - Ana Sofia de Oliveira - 916116938 - ana@thewineagency.pt

Herdade das Servas promove prova de topos de gama


Para celebrar o 1.º aniversário da Garrafeira Néctar das Avenidas


  • Vinhos em prova: branco de 2011, vertical de Reserva (2003, 2004, 2006 e 2008) e novo Vinhas Velhas (2009)

A Herdade das Servas – projecto da família Serrano Mira, uma das mais antigas na produção de vinho alentejano (em Estremoz) – tem o prazer de o(a) convidar para uma prova de vinhos a realizar já este Sábado, dia 24 de Novembro, às 16h30, na Garrafeira Néctar das Avenidas, situada na Av. Luís Bivar, 40 B, 1050-145 em Lisboa. Este evento visa celebrar o primeiro aniversário do espaço inaugurado pelo enófilo João Quintela, um dos fundadores do grupo e blog ‘Os5às8’, a 25 de Novembro de 2011.

Em prova e para mostrar o potencial de envelhecimento dos vinhos da Herdade das Servas, vão estar quatro colheitas do ‘Herdade das Servas Reserva’ 2003, 2004 (em versão 0,75 e Magnun), 2006 e 2008 –, às quais se junta o último lançamento da empresa, o topo de gama ‘Herdade das Servas Vinhas Velhas tinto 2009’. A”encetar” a prova estará o ‘Herdade das Servas branco 2011’, um branco feito com uvas da casta Roupeiro provenientes de uma vinha com mais de 60 anos (vinha da Judia), Verdelho e Alvarinho. No que toca aos tintos, são cinco néctares feitos a partir de uvas de vinhas com mais de 50 anos (parcelas monocasta – Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Nacional e Syrah – enxertadas em vinhas velhas) e com estágio em barricas de carvalho francês e americano das melhores tanoarias internacionais durante 14 a 18 meses. Vinhos com estrutura, complexidade e evolução bastante positiva em garrafa durante 12 a 15 anos. A eleger em momentos de consumo especiais agora ou daqui a uns anos!

O evento contará com a presença do enólogo e do director comercial da Herdade das Servas, Tiago Garcia e Artur Diogo, respectivamente.


Sobre a Serrano Mira – Sociedade Vinícola, S.A. | Herdade das Servas
A família Serrano Mira é uma das mais antigas na produção de vinho na região do Alentejo (remonta ao ano de 1667). Carlos e Luís Mira são os actuais proprietários e administradores da Serrano Mira - Sociedade Vinícola, S.A. | Herdade das Servas, que zela por um património vinícola de 220 hectares, dividido em três vinhas: Azinhal, Judia e Servas. A idade das vinhas está compreendida entre os 05 e os 60 anos, com excepção da vinha das Servas que foi plantada em Janeiro de 2007. As vinhas são seguidas por uma equipa de viticultura liderada por Carlos Mira, assessorado pelo Prof. Ivon Bugaret, especialista em doenças na vinha e professor na Universidade de Bordéus. A direcção de enologia está a cargo de Luís Mira e do jovem enólogo Tiago Garcia. A adega, situada na Herdade das Servas, está equipada com a mais moderna tecnologia de recepção, vinificação e envelhecimento de vinhos, dando origem a tintos, brancos e rosés, sob as marcas Herdade das Servas (topo de gama), Monte das Servas e Vinha das Servas (entrada de gama).



Para confirmação de presença e mais informações, contactar, por favor:
Joana Pratas | Consultoria em Comunicação e RP
(joanapratas@joanapratas.com; 91 459 11 19 ou 93 779 00 05)

Antecipe o Natal e passe o fim-de-ano no Cais da Villa


Gastronomia gourmet e muita animação estão garantidas


O Natal e o fim-de-ano são, por excelência, datas de esperança, espírito positivo festivas e celebração. Para que este ano não seja excepção, apesar de todas as contrariedades que o país atravessa, o Cais da Villa – restaurante, wine house e lounge inserido num antigo armazém de caminhos-de-ferro situado num edifício histórico com mais de 100 anos junto à antiga estação de comboios de Vila Real – propõe dois menus com iguarias típicas do Natal e uma sofisticada festa de reveillon recheada de gourmandises e animação.

Ao escolher o Cais da Villa para um almoço ou jantar de Natal estará a contribuir para uma boa causa, na medida em que € 2,00 por pessoa/menu revertem a favor da IPSS Socialis - Centro de Apoio à Vida, que tem como objectivo apoiar jovens mães sem retaguarda familiar.

Por € 20,00 ou € 25,00 são dois os menus criados pelo Cais da Villa e disponíveis para grupos a partir de 10 pessoas até dia 23 de Dezembro. Num ou no outro, comece com uma selecção de aperitivos do Chefe e termine com um sortido de doces natalícios. Como entrada e prato principal pode optar pela combinação “aveludado de aves e castanhas” (com Arrojo branco) e “bacalhau assado em azeite e alho, grelos salteados, estaladiço de toucinho e molho de ovo cozido com ervas finas” (com Herança tinto); ou “estaladiço de queijo da Serra e frutos secos com verduras tépidas” (com Tons de Duorum branco) e “tentáculo de polvo braseado, esmagada de batata e legumes estufados em vinho tinto” (com Quinta Seara D'Ordens tinto).

Muita animação e uma oferta gastronómica que alia sabores tradicionais e cozinha gourmet vão estar no centro das atenções do menu que compõe a última noite do ano. Por € 65,00 desfrute de um jantar com cinco pratos e cinco vinhos em harmonia perfeita, das dez badaladas na companhia de champanhe Bollinger Special Cuvée, e de uma ceia envolta em música ao vivo e muita animação.

MENU DE REVEILLON

Recepção: Aperitivos variados e champanhe Bollinger com creme de cássis
Jantar:
·         Entrada Fria: Terrina de foie gras e geleia de marmelo com sabores de vinho do Porto
Vinho: Quinta do Portal Colheita Tardia
·         Entrada Quente: Camarão tigre corado e ravioli de sapateira em caldo aromático
Vinho: Mateus Rosé Sparkling
·         Prato de Peixe: Tranche de cherne suado em brisa de late harvest
Vinho: Redoma branco
·         Corta Sabores: Sorvete
·         Prato de Carne: Carré de cordeiro em crosta de ervas finas, gnocchi de abóbora e tomate seco com molho do assado
Vinho: EDHO Grande Escolha tinto
·         Sobremesa: Praliné de chocolate e biscoito com molho de baunilha bourbom e grue de cacau
Vinho: Quinta do Crasto Porto LBV 2006
00h00 | Champanhe Bollinger Special Cuvée
Ceia:
·         Sopa de cebola com finas fatias de pão torrado e queijo parmesão
·         Preguinhos à Cais da Villa (de vitela maronesa)
·         Chocolate quente e pequenos croissants


Sobre o Cais da Villa - restaurante | wine house | lounge:
O Cais da Villa apresenta três espaços distintos, mas complementares entre si: restaurante, com capacidade para 64 pessoas; wine house composta por um bar e uma garrafeira com mais de 600 referências de vinhos, na sua maioria do Douro; e lounge exterior ou esplanada. Aqui poderá tomar uma refeição completa ou apenas degustar umas tapas ou beber um copo de vinho ou um cocktail. O Cais da Villa aposta também na vertente de organização de eventos, quer familiares (casamentos, baptizados, aniversários), quer empresariais (refeições e reuniões de negócios, apresentações e lançamento de produtos, etc). Fora de portas, disponibiliza o serviço de home catering, colocando ao dispor do cliente profissionais credenciados que o farão usufruir do momento sem ter que se preocupar com nada: o Chefe do Cais da Villa vai a sua casa cozinhar, a nossa equipa serve e no final deixamos tudo limpo. Estão também ao dispor serviços complementares como decoração, babysitter, equipamentos de som, DJ, entre outros. Localizado num antigo armazém de caminhos-de-ferro, um edifício histórico com mais de 100 anos junto à antiga estação de comboios de Vila Real, destaca-se pela inovação e criatividade do projecto, considerado pelo Turismo de Portugal como ponto de interesse turístico na região de Alto Douro e Trás-os-Montes. Inaugurado a 05 de Novembro de 2010, o Cais da Villa é um projecto que pretende aliar o antigo e o moderno, a tradição e a inovação, numa conjugação única de design e conforto, perfeitamente enquadrado no contexto paisagístico em que se insere. No seu âmago impera o glamour dos tons escuros, da madeira, dos espelhos, das grandes vidraças, em concordância com uma decoração criteriosamente seleccionada, sóbria e vanguardista. No exterior sente-se o peso histórico do edifício, onde prevalece a sua arquitectura original, remodelada de acordo com o conceito do espaço.


Para mais informações, contactar, por favor:
Joana Pratas | Consultoria em Comunicação e RP
(joanapratas@joanapratas.com; 91 459 11 19 ou 93 779 00 05

Uma prova de vinhos especial | Nota de imprensa


“Ao fim de três edições, [o Adegga Wine Market] acaba por passar de pessoa em pessoa que fica fascinada pela possibilidade de provar, escolher e comprar alguns dos melhores vinhos de Portugal”

O Adegga Wine Market está de volta. A 4.ª edição do evento, já referenciado como um dos mais distintos do sector, chega ao Hotel Flórida no próximo dia 1 de Dezembro, no seu característico ambiente informal e descontraído. Um ponto de encontro especial entre consumidores e 40 produtores, onde os participantes têm à sua disposição um vasto leque de vinhos para prova, com a vantagem adicional de os poderem comprar a preços muito competitivos.
O Adegga Wine Market privilegia o contacto directo com os produtores presentes no evento e a relação das marcas de vinho com os seus consumidores: aqui, as mesas recuam até à parede, colocando os produtores em contacto mais próximo com os consumidores, promovendo uma interacção directa e saudável. E se, após dois dedos de conversa, o visitante gostar de determinado vinho, basta solicitar um autocolante com a referência do mesmo, permitindo que a memória se avive no final do dia, na hora da compra. Um sistema único e inovador criado pela organização do evento, em que esta lista de compras poderá ser usada durante e depois do evento, para comprar o vinho em restaurantes, garrafeiras e outros locais de venda dos produtos.
A surpresa deste ano, – cada edição traz sempre consigo uma novidade – vai para a sala Premium (saiba mais), onde os inscritos poderão provar vinhos do Porto antigos, harmonizados com uma prova especial de chocolate artesanal. Uma união considerada “perfeita”, pois cada produtor escolhe o chocolate que melhor combina com o seu vinho.
O Adegga Wine Market é promovido pelo Adegga.com, uma rede social onde cada pessoa se pode inscrever e deixar a sua opinião sobre determinado vinho. É uma plataforma que permite dar a descobrir novos vinhos a consumidores oriundos de diferentes países. “O que as pessoas querem é descobrir novos vinhos e torná-los num mote para a conversa, partilha e troca de opiniões. A plataforma online Adegga permite a pessoas que estão, por exemplo, nos Estados Unidos, trocar a sua opinião com um outro membro num ponto diferente do planeta sobre um dos nossos vinhos. Por outro lado, o Adegga.com fomenta essa descoberta ao organizar eventos e ao fazer algumas vendas pontuais de vinhos”, explica o mentor do Adegga, André Ribeirinho.
Consciente do relevo da fatia exportadora do vinho na economia nacional – 1,6% do valor total das exportações nacionais – levou André Ribeirinho a apostar neste segmento e numa nova abordagem ao sector, apostando na valorização e promoção dos vinhos portugueses online, de modo a estimular a exportação e internacionalização da imagem dos vinhos nacionais, junto de críticos e jornalistas de vinho de todo o mundo.

4.º Adegga Wine Market 2012
Data: 1 de Dezembro 2012
Local: Hotel Flórida - Rua Duque de Palmela 34 (ao Marquês de Pombal)
Horário: Das 15h às 21h
Horário para profissionais: Das 14h às 15h (para jornalistas, bloggers, restaurantes e distribuidores)
Entrada: 10€. Inclui copo de prova Riedel
Entrada para profissionais: 5€ c/ copo (valor restituído na devolução do copo no final do evento)
Site oficial do 4.º Adegga Wine Market: http://www.adegga.com/winemarket/2012/
Evento no Facebook: http://bit.ly/winemarket2012

Caso necessite de informações adicionais, por favor não hesite em contactar:
Ema Pimenta | Tlm. (+351) 960 478 884 | E-mail: ema.pimenta@aquiabeira.net


domingo, 11 de novembro de 2012

Jogo do vinho - Portugal


Para todos aqueles que se querem divertir e passar um bom momento com os vinhos de Portugal, disponibilizamos um jogo sobre Portugal Vitivinícola.

Imprima as imagens em formato A4 recorte os cartões pela linha e divirta-se com os seus amigos, neste que é um teste ao seu conhecimento sobre os vinhos e produtores portugueses.

Divirta-se!











quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Operação Nariz Vermelho assinala 10 anos com festa solidária no Porto | Nota de imprensa




Dia 15 de Novembro às 18h30 no Hotel Porto Palácio


Lisboa, 08 de Novembro de 2012 – A IPSS Operação Nariz Vermelho (ONV), que visita semanalmente os serviços pediátricos de doze hospitais do País, está a celebrar uma década de existência em Portugal em que os Doutores Palhaços receitam e levam alegria às crianças hospitalizadas. Esta efeméride vai ser celebrada com uma festa de agradecimento e de angariação de fundos na cidade do Porto.

A ONV marca presença todas as semanas em quatro hospitais na zona Centro e Norte do País, IPO do Porto, Hospital de São João, Hospital de Braga e Hospital Pediátrico de Coimbra, com uma equipa especializada de sete Doutores Palhaços já visitou 72.620 crianças hospitalizadas. Também para agradecer e dar a conhecer o trabalho realizado pela Associação por todo o País, mais especificamente a Norte de Portugal, o Porto foi a cidade escolhida para acolher esta celebração.

A “Festa da Década” vai ter lugar na quinta-feira, dia 15 de Novembro, entre as 18h30 e as 21h30, na sala Porto do Hotel Porto Palácio, situado na Avenida da Boavista, n.º 1269. A “alimentar” a festa em jeito de happy hour vão estar sete restaurantes (Al Forno da Baixa, Cafeína, Champanharia da Baixa, Côrte Real, Shis, The Yeatman e Traça) e sete produtores de vinho do Douro e Porto (Douro Boys, Marka, Quinta do Ameal, Real Companhia Velha, Symington´s, Taylor´s e Vales de Ambrães). A entrada tem um valor mínimo de € 20,00, que reverte na totalidade para a ONV. É solicitada a inscrição prévia feita através do preenchimento de um formulário online ou dos contactos patricia.carvalho@narizvermelho.pt e 21 198 19 64.


Ao longo desta primeira década de existência a Operação Nariz Vermelho levou alegria a mais de 270 mil crianças hospitalizadas que, por momentos, esqueceram a dor e o medo e sentiram-se novamente crianças, com a visita dos Doutores Palhaços. São “Dez anos a receitar alegria!”, de uma IPSS que começou apenas com três Doutores Palhaços e que hoje forma uma equipa de vinte e dois, presentes em doze hospitais de norte a sul do País. A Associação é hoje uma  instituição de referência de Doutores Palhaços, artistas profissionais com formação especializada no meio hospitalar e que trabalham em estreita colaboração com os profissionais de saúde, realizando atuações adaptadas a cada criança e a cada situação. Desde 2005 que a Operação Nariz Vermelho tem a Fundação EDP como parceiro para a Vida.

Está prometida muita animação pelas mãos dos Doutores Palhaços e a atuação do Trio Improvável, um grupo em franca ascensão composto por António Lobo Xavier, João Nuno Kendall e Nicole Azevedo. Durante o evento serão ainda homenageadas pessoas cujo contributo e trabalho foram essenciais para levar mais sorrisos às crianças hospitalizadas.

Sobre a Operação Nariz Vermelho:
A Operação Nariz Vermelho (ONV) é uma IPSS, sem vinculações políticas ou religiosas, que promove, todas as semanas, visitas de Doutores Palhaços às enfermarias pediátricas de doze hospitais do País. O principal objetivo da ONV é transformar momentos, tornando mais alegre a vivência das crianças e dos seus familiares no hospital. Oficialmente constituída em 2002, a Operação Nariz Vermelho conta atualmente com uma equipa de 22 Doutores Palhaços e 8 profissionais nos bastidores e visita cerca de 40.000 crianças por ano. Contando já com vários prémios no seu portfólio, a Operação Nariz Vermelho foi distinguida em 2005 com o prémio Serviços Sociais, atribuído pelo Hospital do Futuro. Já em 2006 a operação recebeu o Diploma de Reconhecimento de Mérito pela Ordem dos Médicos, e em 2009 recebeu pelas mãos da Assembleia da República o Prémio de "Direitos Humanos".



Para mais informações, contactar, por favor:
Joana Pratas | Consultoria em Comunicação e RP
Tel: 91 459 11 19 ou 93 779 00 05 | Email: joanapratas@joanapratas.com

Pure Ativism - Ricardo Reis
Tel: 91 052 03 25 | Email: ricardo.reis@pure.ativism.pt



terça-feira, 6 de novembro de 2012

Lavradores de Feitoria lança ‘Meruge’ branco 2011 e tinto 2009 este mês | NOTA DE IMPRENSA


Tinto foi eleito como um dos Melhores do Ano por João Paulo Martins


  • Em prova no “Encontro com o Vinho e Sabores” – 09 a 12.11 – e na “Essência do Vinho Madeira” – 30.11 a 02.12


A Lavradores de Feitoria – projecto único no Douro que reúne 15 produtores, proprietários de 18 quintas distribuídas pelos melhores terroirs do Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior – prepara-se para lançar no mercado, durante o mês de Novembro, as últimas novidades da marca ‘Meruge’: o branco de 2011 e o tinto de 2009, dois néctares que mostram um Douro um pouco diferente, mais elegante e menos rústico, e que obtêm habitualmente a simpatia e excelentes referências na crítica nacional e internacional.

O ‘Meruge tinto 2009’ foi recentemente eleito como um dos “Melhores do Ano” pelo crítico João Paulo Martins no seu Guia “Vinhos de Portugal 2013”, que considerou que “nas várias edições que já teve, este tinto mostrou um perfil de rara elegância à revelia de modas e tendências. A esse mérito associa-se-lhe uma enorme qualidade.”. Segundo Paulo Ruão, director de enologia da Lavradores de Feitoria, “é um vinho com uma cor viva e bastante jovem; o aroma é rico e fino, predominando um carácter frutado. A madeira muito discreta e bem integrada no vinho contribui para a sua complexidade e enriquecimento aromático. Na boca é intenso, repleto de notas aromáticas que recordam o aroma a frutos vermelhos, acidez equilibrada, taninos suaves e aveludados, apresenta um final bastante longo e muito agradável e prometendo longevidade.”.

O ‘Meruge branco’ é um vinho 100% português: feito a partir da casta Viosinho, proveniente de vinhas ao alto viradas a Norte e com idades entre os 25-30 anos, e fermentado em barricas de carvalho português. Considerado um branco de Inverno, pode acompanhar pratos de peixe, bacalhau, polvo, além de alguns queijos e até patês. É um vinho bastante gastronómico, mas é também ideal para acompanhar uma boa conversa. A colheita de 2011 apresenta uma bonita cor amarelo citrino, é um vinho brilhante e limpo. No aroma, é fino, elegante, com toques de citrinos bem maduros, ligeira mineralidade e fruta madura do tipo ameixa e figo. Com notas de madeira perfeitamente inseridas, à medida que fica no copo, vão-se libertando mais frutos, tornando-o muito rico e complexo. No paladar, é muito equilibrado entre o corpo e acidez, expressivo e harmonioso. Bastante frutado apresenta fruta branca bem madura, suportada por uma boa acidez, evoluindo para especiarias e algum balsâmico muito agradável. O final é longo e muito saboroso. Promete longevidade.

Vão ambos estar em prova no “Encontro com o Vinho e Sabores”, que se realiza de 09 a 12 de Novembro no Centro de Congressos de Lisboa e na “Essência do Vinho – Madeira”, que se realiza pela primeira vez este ano e que terá lugar no Centro de Congressos do Funchal, entre os dias 30 de Novembro a 02 de Dezembro.

Sobre a Lavradores de Feitoria:
Fundado no ano 2000 num compromisso declarado com a excelência, um grupo de 15 produtores, proprietários de 18 quintas distribuídas pelos melhores terroirs das três sub-regiões do Douro (Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior), associou, pela primeira vez no Douro, saberes e experiências, passado e futuro, inovação e tradição para partilhar recursos e criar sinergias de forma a conseguir o que sozinhos não conseguiriam: produzir Vinhos de elevada qualidade. A Lavradores de Feitoria procura criar vinhos equilibrados, elegantes e com potencial de envelhecimento, em sintonia com melhor que o Douro pode dar, quer estejamos perante os seus vinhos “de Lote” ou “de Quinta”. Feitos a partir de uma rigorosa selecção das uvas das diversas quintas, obtêm-se “Vinhos de Lote” que revelam a complexidade e a riqueza dos vinhos do Douro. Produzidos apenas com uvas da Quinta de origem, os “Vinhos de Quinta” pretendem ser o espelho do seu terroir; estes vinhos são assim fiéis à sua Quinta e diferentes entre si.

Para mais informações, contactar, por favor:
Joana Pratas | Consultoria em Comunicação e RP
(joanapratas.com@gmail.com; 91 459 11 19 ou 93 779 00 05)

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

MONTE DA COLÓNIA | FRONTEIRA | ALENTEJO


Ao longo dos 500 hectares das vastas planícies alentejanas, situa-se o “Monte da Colónia”, projeto familiar que teve a sua génese nos anos 80.




Inicialmente dedicado à produção tradicional de azeite, o olival encontra-se disperso ao longo de 50 hectares da exploração, onde predominam as variedades Cobrançosa e Galega, sob métodos tradicionais de fabrico.


A restante área é povoada por duas manadas de vacas de raça Limousine e Limousine cruzadas de Alentejanas, acompanhadas de pequenos ovinos de raça Merino que dividem o espaço e as verdejantes pastagens alentejanas.







No início do ano 2000,pelas mãos dos filhos, António e Manuela, o “Monte da Colónia” rejuvenesce, com a modernização do lagar e a instalação de 15 hectares de vinha.

Atualmente em plena produção, as castas Trincadeira, Alicante Bouschet, Castelão, Aragonez, Cabernet Sauvignon e Syrah dão corpo e alma aos vinhos do “Monte da Colónia”. Sob a experiência e dedicação do enólogo Rui Vieira, os novos vinhos marcam pela qualidade e tradicionalidade do terroir alentejano.







A dar os primeiros passos, a “Loja do Monte da Colónia” expõe e comercializa, além dos produtos da herdade, muitos outros produtos tradicionais oriundos de diversas regiões do país.



Aí podemos encontrar os azeites, na versão Virgem e Virgem extra, azeitonas em conserva, além dos vinhos: branco, tinto e rosé.






“Monte da Colónia | Branco | 2011

Produtor: Idalina Rodrigues Pereira
Casta: Arinto
Álcool: 13,5% Vol

Notas de Prova: de cor amarelo esverdeado, liberta aromas a frutos tropicais, citrinos e um ligeiro toque floral. Na boca marca pela frescura e acidez, toque untuoso, permanecendo num final de boca médio e fresco. 











Contatos:
Monte da Colónia | Vale de Seda |  7460-236 Fronteira
Alentejo | Portugal

www.montedacolonia.com